O Edifício-Monumento está fechado para obras de restauro e modernização

Seminário Internacional - Desenhando o Futuro: Gestão e Sustentabilidade nos Museus

647

 

Nos dias 17 e 18 de outubro, o Museu Paulista da USP promove, em parceria com o Sesc, o seminário internacional Desenhando o Futuro: Gestão e Sustentabilidade em Museus. O evento promove um amplo debate sobre a função da instituição “museu” na contemporaneidade e avalia estratégias para a sua manutenção e sustentação financeira. Com convidados que representando museus do Peru, Canadá, Portugal e México, além dos brasileiros, o seminário busca compor um painel capaz de propor soluções para garantir o futuro do setor.

O primeiro dia tem foco em “Economia e Gestão”, com duas mesas que irão discutir a sustentabilidade financeira e a coordenação necessária entre recursos disponíveis e demandas solicitadas. Para o segundo dia, o assunto predominante é “Sociedade”, com uma mesa sobre o impacto dos museus na construção de uma sociedade inclusiva e outra abordando a integração dessas instituições com as cidades.

Coordenado por Solange Ferraz de Lima (Diretora do Museu Paulista da Universidade de São Paulo) e Rodrigo Silva (Pós-Doutorando do Museu Paulista da Universidade de São Paulo), o evento conta ainda com uma visita mediada ao Museu do Ipiranga e um Fórum de Debates no encerramento.

O evento é pago (R$18 a R$60), com inscrições antecipadas (disponíveis nesse link), e acontece no Teatro do Sesc Ipiranga. No primeiro dia o horário é das 9h às 17h, e no segundo da 10h às 18h. Dúvidas podem ser enviadas para gestaomuseus@ipiranga.sescsp.org.br.

 

SOBRE O SEMINÁRIO

A instituição “museu” representa – hoje – muito mais do que espaços de guarda, pesquisa e extroversão de conhecimento ao redor de uma ou mais coleções (de artes, objetos, espécimes, papéis e documentos). Os museus, no mundo contemporâneo, se tornaram instituições com inúmeras dimensões de atuação, com múltiplas interfaces (sociedade, comunidade científica, iniciativa privada, Estado) e em distintos campos e espaços (desde a atuação física no seu local de implantação até as ações no mundo digital de alcance global).

Diante desse cenário, e da ampliação de suas atribuições, os museus passaram, da mesma forma, por uma revisão de seu lugar social e das expectativas que as sociedades e os Estados depositam neles. De templos do conhecimento, muitas das vezes fundamentados em abordagens elitistas e de uma pedagogia impositiva, os museus passaram a instituições cujas ações e equipamentos se relacionam diretamente com as questões tradicionalmente associadas à sua existência – como educação e produção de conhecimento -, mas, agora, também a temas muito distintos como saúde, segurança, requalificação urbana, inserção social, responsabilidade ambiental, entre tantos outros.

Em grande medida essa derivação de ações, expectativas, responsabilidades, encontrou obstáculos e dificuldades em modelos de gestão e governança historicamente construídos, de aspecto bastante conservador (com seus predicados e deficiências), tradicionais, e com sérias dificuldades em responder aos desafios contemporâneos. Em outras palavras: temos demandas, expectativas e cobranças contemporâneas a serem solucionadas com ferramentas, métodos e estruturas que foram criadas e sedimentas para outras ordens de desafios. Esse descompasso implica em constantes problemas e crises, no Brasil bem como em praticamente todo o mundo.

Obviamente que parte dos desafios e dos problemas enfrentados por cada instituição possui tons locais e específicos, mas, de modo mais amplo, se relacionam a esse processo global. Por isso a troca de experiências, práticas e estratégias é fundamental para o desenvolvimento e a reformulação das estruturas dos museus, apontando para o futuro e a sustentabilidade dessas instituições.

Vale dizer que, em nossa percepção, gestão e sustentabilidade são conceitos fundamentalmente associados e que ambos são base para a construção do futuro (dos museus, mas da humanidade como um todo). Nessa chave, sustentabilidade está longe de ser um conceito restrito às dimensões ambientais e financeiras: possui dimensões físicas, urbanísticas, sociais.

Desenhando o futuro: gestão e sustentabilidade nos museus proporcionará por dois dias, em outubro de 2018, uma ampla incursão nas diversas dimensões que compõem o debate a respeito da gestão e da sustentabilidade, mas, essencialmente, se questionando como e quanto os museus se relacionam a esses temas, e como cada instituição cria soluções e constrói seus futuros. Durante o seminário internacional profissionais de diversas instituições poderão não apenas apresentar soluções e criações de suas instituições, mas, sobretudo, compartilhar experiências, estreitar laços e construir uma rede de cooperação dedicada ao tema. 

O primeiro dia do evento será dedicado às discussões da dimensão econômica dos museus: como eles podem se tornar “economicamente viáveis”? Quais ações são cabíveis nas instituições? Onde cada instituição projeta seu ponto de equilíbrio? O segundo dia será dedicado a dois temas relacionados com a sustentabilidade: os profissionais debaterão como suas instituições vêm o que é considerado “socialmente justo” (e como têm materializado essa visão); e como os museus transformaram as suas cidades (a partir de experiências de museus envolvidos em projetos de revitalização de áreas).

Em cada um desses temas, em cada uma dessas jornadas, será estimulado a ideia de “criação”, de projeção e não somente de solução de dilemas e problemas. Por isso, todo o evento será permeado por discussões que envolvam o uso de novas plataformas de comunicação, a criação de novas soluções, o emprego ou o desdobramento de novas tecnologias para o campo dos museus. Inovação (nas relações, no posicionamento das instituições, na comunicação, em seus papéis nas cidades, na gestão de seus recursos financeiros, humanos e materiais) como base para a construção da sustentabilidade é, sem dúvida, um dos conceitos chave para o evento. 

Entendemos, por fim, que a realização de tal evento contribui para o desenvolvimento da ciência em um campo onde os desafios se estabelecem em âmbito internacional (e cujas discussões ainda são pontuais e dispersas), e demonstra o empenho da Universidade de São Paulo e do Museu Paulista da Universidade de São Paulo em oferecer seus esforços para a construção de um futuro promissor e profundamente ativo aos museus.

COORDENAÇÃO

Profa. Dra. Solange Ferraz de Lima – Diretora do Museu Paulista da Universidade de São Paulo

Possui graduação em história pela Universidade de São Paulo (1983), mestrado em História Social pela Universidade de São Paulo (1995) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (2001). É livre-docente pelo Museu Paulista da USP. Atualmente é docente da Universidade de São Paulo, no Museu Paulista (Museu do Ipiranga). Tem experiência na área de História, com ênfase em Cultural Material e Cultura Visual. Sua produção acadêmica resulta da pesquisa e curadoria de acervos, principalmente nos seguintes temas: cultura visual, cultura material, fotografia, ornamentação, cidades, coleções, curadoria e museus. É diretora do Museu Paulista da Universidade de São Paulo desde junho de 2016.

Dr. Rodrigo Silva – Pós-Doutorando do Museu Paulista da Universidade de São Paulo

Bacharel em história pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Mestre (2009) e Doutor (2016) pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da mesma instituição. Desde 2004 atua como consultor e coordenador de projetos de pesquisa nos campos do patrimônio cultural brasileiro e dos museus. Nesse período coordenou mais de uma centena de projetos em parceria com o Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Cultural (IPHAN/MinC), Condephaat, Departamento de Patrimônio Histórico da Cidade de São Paulo, SESC, Museu Oscar Niemeyer, Museu da Imigração do Estado de São Paulo, Caixa Cultural, Centro Cultural Banco do Brasil, Câmara de Comércio Brasil-Canadá entre outros. Atualmente desenvolve no MP/USP seu projeto de pós- doutorado investigando os modelos de gestão em museus no Brasil e no exterior.

 

 

PROGRAMAÇÃO

Dias 17 e 18 de outubro

 

DIA 1 – ECONOMIA E GESTÃO

 

SESSÃO MANHÃ – 9:00 – 13:00

9h - Credenciamento

10h30 - Abertura: autoridades e organizadores

11h às 13h - SUSTENTABILIDADE E O FUTURO DOS MUSEUS

Convidados:

- IberMuseus 

- Patrícia da Cunha Albernaz - Coordenadora de Estratégias de Sustentabilidade do IBRAM

Debatedora: Renata Vieira da Motta – Assessora de museus da Universidade de São Paulo e presidente do ICOM Brasil

 

SESSÃO TARDE – 15:00 – 17:00

15h às 17h – ENTRE OS RECURSOS E AS DEMANDAS, COMO CONSTRUIR A SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA NOS MUSEUS?

Convidados:

- Marcelo Mattos Araujo – Presidente do Japan House em São Paulo, ex-presidente do IBRAM, ex-secretário de cultura do Estado de São Paulo (2012-2016)

- Norman Vorano – Professor, curador e pesquisador do Departamento de História da Arte e Conservação na Queen’s University – Ontario / Canadá

Mediação: Beatriz Cavalcanti/ Museu de Arte Contemporânea - USP

 

 

DIA 2 – SOCIEDADE

 

SESSÃO MANHÃ

10h às 12h – COMO OS MUSEUS PODEM AJUDAR A CONSTRUIR SOCIEDADES MAIS JUSTAS E INCLUSIVAS?

Convidados:

- John Young – Canadian Museum for Human Rights – Winnipeg/Canadá

- Prof. Dr. Adán García Fajardo – Museo Memoria y Tolerância. Ciudad de México / México

- Marília Bonas – Memorial da Resistência / São Paulo

Mediação: Franco Reinaldo – Museu da Diversidade Sexual de São Paulo

 

SESSÃO TARDE

14h às 16h – COMO OS MUSEUS TRANSFORMAM AS CIDADES?

Convidados:

- Joana Belard da Fonseca - Museu do Oriente / Fundação Oriente – Lisboa/Portugal

- Eduardo Sarmento - Paço do Frevo/IDG - Instituto de Desenvolvimento e Gestão

Mediação: Renato Cymbalista – Livre-docente Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - USP

 

RELATORIAS E FÓRUM DE ENCERRAMENTO

16h30 às 18h

 

 

Serviço

Seminário Internacional Desenhando o Futuro: Gestão e Sustentabilidade nos Museus

Data e horário: 17/10, das 9h às 17h, e dia 18/10, das 10h às 18h

Local: Teatro do Sesc Ipiranga (Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga, São Paulo/SP)

Quanto: R$60 (inteira), R$30 (meia) e R$18 (credencial plena Sesc)

Inscrições: no site do Sesc Ipiranga <acesse o formulário nesse link>

Informações: gestaomuseus@ipiranga.sescsp.org.br

 

648